Unicentro sedia Encontro Estadual do Fórum de Educação Infantil do Paraná

0
84

Professora Jane Maria de Abreu, durante o 4. Feipar (Foto: Márcio Nei)

Professora Jane Maria de Abreu, durante o 4. Feipar (Foto: Márcio Nei)

O Fórum de Educação Infantil do Paraná (Feipar) é uma organização que, desde 2007, atua contrariamente a lei estadual que determina os cinco anos como idade de corte para ingresso no Ensino Fundamental. Essa limitação, de acordo com os participantes do movimento, reduz o acesso à educação infantil. O Fórum, segundo a responsável pelo encontro do Feipar na Unicentro e professora do Departamento de Pedagogia, Jane Drewinski, “é a união de movimento sociais que lutam pelos direitos da criança, dentre eles o direito à educação; que toda criança, independente de sua condição, tenha seus direitos garantidos, reconhecidos e protegidos”.
O encontro, que contou com 300 participantes na manhã da última segunda-feira, 6, discutiu as políticas públicas para crianças. Angela Scalabrin Coutinho, professora da UFPR e integrante do Feipar, comentou que o objetivo principal foi recuperar a história dos ganhos da educação infantil. “Principalmente nos últimos dez anos, no âmbito das políticas públicas, a educação infantil teve um conjunto de conquistas consideráveis, mobilizadas por movimentos sociais e articulado também com o Ministério da Educação e com outros grupos, sobretudo, aos grupo vinculados às universidades”. Em sua palestra, Angela também estabeleceu panoramas refrentes à interferência da crise no contexto da educação infantil.
Jane Drewinski destaca que a temática proposta pelo evento vem de encontro ao contexto em que o país está inserido hoje. “Tivemos avanços na educação infantil, mas também tivemos alguns retrocessos. Esse é um momento em que todo mundo está esperando o que vai acontecer. É um contexto onde as políticas econômicas influenciam diretamente na educação. Temos que discutir até que ponto os direitos da criança e as conquistas que nós temos na área da educação infantil, irão continuar e serão preservadas”.
A representante da Secretaria de Estado da Educação, Mariza Andrade Silva, destaca a importância de atuação do Feipar nas diferentes realidades das escolas do estado do Paraná. “Quando você dissemina o conhecimento, esse atendimento à infância, é o que faz com que essas políticas se efetivem. Saindo da assistência, o atendimento às crianças passou a ser novidade dentro do campo da educação e, para que isso se efetive, é necessário um atendimento que seja integral, que consiga integrar os vários estágios de desenvolvimento das crianças”.
Mostra

Trabalho exposto na mostra de trabalhos da educação infantil (Foto: Márcio Nei)

Trabalho exposto na mostra de trabalhos da educação infantil (Foto: Márcio Nei)

Durante o Feipar, uma mostra, organizada pelo Núcleo Regional de Educação, apresentou materiais pedagógicos desenvolvidos por professores e alunos da educação infantil. “São trabalhos de momentos em que as crianças trocam e interagem com seus pares e com os professores no centros de educação infantil e pré-escolas. É uma mostra bastante interessante, feita pelos professores e que mostra um pouco do fruto do trabalho deles”, comenta Jane.
Uma das expositoras é Diocélia Aparecida Barbosa, diretora do CMEI (Centro Municipal de Educação Infantil) Semente do Amanhã, do município de Turvo. O projeto trabalhou o contar de história para crianças através de materiais confeccionados dentro da própria escola. “Nós desenvolvemos os trabalhos junto com os professores, cada um confeccionou o material e depois fizemos com as crianças. Nós reutilizamos materiais que já tínhamos na escola e em casa. As crianças também iam trazendo e nós construímos com eles”, explicou Diocélia.
Para ela, poder mostrar o trabalho realizado na escola é uma forma de valorizar tudo o que é feito dentro do CMEI. “As vezes o nosso trabalho não é bem visto pelos pais, e por pessoas que não entendem que, na educação infantil, nós alfabetizamos de uma forma diferente. É brincando, é mostrando o significado de tudo o que eles fazem, que eles aprendem”.

Fonte: Coorc Unicentro

Deixe uma resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome