O dinheiro traz uma saúde melhor?

0
123

O sistema de saúde suíço é um dos mais caros do mundo. A Suíça é também um dos países onde a esperança de vida é mais longa. Será que existe uma correlação entre o dinheiro investido por um país e a saúde dos seus cidadãos?

Nós mostramos aqui que há de fato uma ligação. No entanto, em países desenvolvidos como a Suíça, a relação entre gastos e benefícios para a saúde dos cidadãos é muito menos clara.

Tornou-se um ritual. Cada outono, as autoridades suíças anunciam um novo aumento nos custos de saúde e, portanto, um reajuste dos seguros de saúde privados – e obrigatórios na Suíça, onde a saúde não é pública. Os planos de saúde suíços têm aumentado descontroladamente nas últimas duas décadas, a ponto de se tornar um verdadeiro fardo para boa parte da população.

Talvez sirva um pouco de consolo para os segurados o fato de haver uma correlação entre os gastos com a saúde e a expectativa de vida, um dos indicadores mais simples da saúde de uma população. As estatísticas abaixo mostram que os gastos com a saúde têm aumentado massivamente nos países desenvolvidos desde 1970 e a expectativa de vida tem acompanhado a mesma tendência de crescimento, com maior ou menor sucesso.

chart

No nível mundial, como mostra o gráfico abaixo, a expectativa de vida é maior nos países onde se dedica recursos significativos para a saúde. Esta ligação não é, contudo, linear e um limite é observado para todos os países desenvolvidos. Em outras palavras, para esses países, não existe uma ligação clara entre gastos com saúde e expectativa de vida.

Um exemplo notório e flagrante é os Estados Unidos, onde os gastos com saúde são, de longe, os mais altos do mundo. No entanto, a expectativa de vida é menor do que no Líbano, que investe 10 vezes menos dinheiro per capita para a saúde do que os Estados Unidos.

Outro exemplo é o Vietnã, que gasta 390 dólares por ano per capita com a saúde (7,1% do PIB) e tem uma expectativa de vida de respeitáveis 75,6 anos. Na Rússia, onde a despesa anual per capita é de 1836 dólares (que também representa 7,1% do PIB), a expectativa de vida é, contudo, de "apenas" 70,4 anos.

Essas diferenças são explicadas pelo fato de que, além do sistema de saúde, outros fatores influenciam diretamente o estado de saúde e a expectativa de vida: hábito alimentar, nível de poluição, predisposição genética, tabagismo, álcool, etc…

Aumentos mais significativos da esperança podem ser alcançados com medidas de baixo custo. Por exemplo, a expectativa de vida aumenta consideravelmente reduzindo a mortalidade infantil com vacinas. Mas em países onde a expectativa de vida já atingiu um nível elevado, investe-se cada vez mais recursos no tratamento de doenças crônicas longas e dispendiosas de tratar.

Voltamos para a Suíça para demonstrar que o dinheiro não é tudo. Como mostra este gráfico, o orçamento destinado à saúde varia consideravelmente entre os cantões. Os prêmios pagos pelos segurados são proporcionais ao orçamento dos cantões (a linha pontilhada ilustra essa relação linear).

Mas se os prêmios pagos pelos segurados também variam consideravelmente dependendo do cantão de residência, as diferenças na esperança de vida são mínimas, variando de uma média mínima de 79,4 anos em Basileia-Cidade a uma média máxima de 81,6 anos em Zug.

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.


Adaptação: Fernando Hirschy,
swissinfo.ch

Direitos Autorais

Todos os direitos reservados. O conteúdo do site da swissinfo.ch é protegido por direitos autorais. Ele é destinado apenas para uso privado. Qualquer outro uso do conteúdo do site além do uso acima estipulado, especialmente no que diz respeito à distribuição, modificação, transmissão, armazenagem e cópia, requer a autorização prévia por escrito da swissinfo.ch. Caso você esteja interessado em algum desses tipos de uso do conteúdo do site, entre em contato conosco através do endereço contact@swissinfo.ch.

No que diz respeito ao uso para fins privados, só é permitido o uso de hyperlink para um conteúdo específico e para colocá-lo no seu próprio site ou em um site de terceiros. O conteúdo do site da swissinfo.ch só poderá ser incorporado em um ambiente livre de publicidade sem quaisquer modificações. Especificamente aplicável a todos os softwares, pastas, dados e seus respectivos conteúdos disponibilizados para download no site da swissinfo.ch, uma licença básica, não exclusiva e não transferível é concedida de forma restrita a um único download e gravação de tais dados em dispositivos privados. Todos os outros direitos permanecem sendo de propriedade da swissinfo.ch. Em especial, proíbe-se qualquer venda ou uso comercial desses dados.

Reutilizar artigo

O dinheiro traz uma saúde melhor?
Duc-Quang Nguyen, Olivier Pauchard
12. Dezembro 2016 – 11:00

O sistema de saúde suíço é um dos mais caros do mundo. A Suíça é também um dos países onde a esperança de vida é mais longa. Será que existe uma correlação entre o dinheiro investido por um país e a saúde dos seus cidadãos?

Nós mostramos aqui que há de fato uma ligação. No entanto, em países desenvolvidos como a Suíça, a relação entre gastos e benefícios para a saúde dos cidadãos é muito menos clara.

Tornou-se um ritual. Cada outono, as autoridades suíças anunciam um novo aumento nos custos de saúde e, portanto, um reajuste dos seguros de saúde privados – e obrigatórios na Suíça, onde a saúde não é pública. Os planos de saúde suíços têm aumentado descontroladamente nas últimas duas décadas, a ponto de se tornar um verdadeiro fardo para boa parte da população.

Talvez sirva um pouco de consolo para os segurados o fato de haver uma correlação entre os gastos com a saúde e a expectativa de vida, um dos indicadores mais simples da saúde de uma população. As estatísticas abaixo mostram que os gastos com a saúde têm aumentado massivamente nos países desenvolvidos desde 1970 e a expectativa de vida tem acompanhado a mesma tendência de crescimento, com maior ou menor sucesso.

No nível mundial, como mostra o gráfico abaixo, a expectativa de vida é maior nos países onde se dedica recursos significativos para a saúde. Esta ligação não é, contudo, linear e um limite é observado para todos os países desenvolvidos. Em outras palavras, para esses países, não existe uma ligação clara entre gastos com saúde e expectativa de vida.

Um exemplo notório e flagrante é os Estados Unidos, onde os gastos com saúde são, de longe, os mais altos do mundo. No entanto, a expectativa de vida é menor do que no Líbano, que investe 10 vezes menos dinheiro per capita para a saúde do que os Estados Unidos.

Outro exemplo é o Vietnã, que gasta 390 dólares por ano per capita com a saúde (7,1% do PIB) e tem uma expectativa de vida de respeitáveis 75,6 anos. Na Rússia, onde a despesa anual per capita é de 1836 dólares (que também representa 7,1% do PIB), a expectativa de vida é, contudo, de "apenas" 70,4 anos.

Essas diferenças são explicadas pelo fato de que, além do sistema de saúde, outros fatores influenciam diretamente o estado de saúde e a expectativa de vida: hábito alimentar, nível de poluição, predisposição genética, tabagismo, álcool, etc…

Aumentos mais significativos da esperança podem ser alcançados com medidas de baixo custo. Por exemplo, a expectativa de vida aumenta consideravelmente reduzindo a mortalidade infantil com vacinas. Mas em países onde a expectativa de vida já atingiu um nível elevado, investe-se cada vez mais recursos no tratamento de doenças crônicas longas e dispendiosas de tratar.

Voltamos para a Suíça para demonstrar que o dinheiro não é tudo. Como mostra este gráfico, o orçamento destinado à saúde varia consideravelmente entre os cantões. Os prêmios pagos pelos segurados são proporcionais ao orçamento dos cantões (a linha pontilhada ilustra essa relação linear).

Mas se os prêmios pagos pelos segurados também variam consideravelmente dependendo do cantão de residência, as diferenças na esperança de vida são mínimas, variando de uma média mínima de 79,4 anos em Basileia-Cidade a uma média máxima de 81,6 anos em Zug.

×

Segurança social


O sistema de seguro social suíço é dividido em vários segmentos com suas próprias características e metas que ajudam aos aposentados a manter seu …

Seguros


As companhias de seguros na Suíça oferecem produtos para qualquer tipo de necessidade, indo desde o seguro obrigatório de saúde até seguros para …


 (swissinfo.ch)

Visual data

Sistema de saúde na Suíça

A diversidade de preços no seguro básico de saúde

Por Duc-Quang Nguyen


Desde a introdução do seguro básico de saúde em 1996, as tarifas não param de aumentar. Elas mais do que dobraram, enquanto os salários tiveram um …

Outras línguas: 8


Os suíços continuam preferindo pagar planos de saúde privados do que uma conta só para o Estado. (Keystone)

Plebiscito na Suíça

Suíços recusam sistema de saúde pública

Por Fernando Hirschy


Os eleitores suíços recusaram no domingo 28 de setembro a criação de um sistema de saúde pública que terminaria com o atual sistema de saúde …


öffentliche Krankenkasse (Ex-press)

Votação de 28 de setembro

Caixa pública de saúde é solução ou problema?

Por Sonia Fenazzi


Passar da diversidade das seguradoras privadas a uma instituição pública nacional para o seguro de saúde básico é a proposta …

Outra língua: 1


 (Keystone)

Classe média suíça luta para sobreviver

Por Alexander Thoele, Simon Bradley


Quatro entre dez famílias da classe média na Suíça têm dificuldades em terminar o mês com as despesas pagas e são incapazes de …



Encontro de portugueses em Friburgo
"À procura de maior dinamismo e visibilidade"


Por que Claude Peguiron não usa mais química nos seus campos?

Ele se converteu à agricultura orgânica
Por que Claude Peguiron não usa mais química nos seus …


Imigração atormenta suíços

Barômetro da Preocupação
Imigração atormenta suíços


O túnel do São Gotardo

especiais
O túnel do São Gotardo


Guia da Suíça

especiais
Guia da Suíça


Refugiados

especiais
Refugiados

Fonte: Swiss Info

Deixe uma resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome