Chris Froome, líder da Volta da França quebra bicicleta e fica a pé

0
45
  • Tweeter

Volta da França

Acidente

Chris Froome, líder da Volta da França quebra bicicleta e fica a pé

mediaFroome sobe parte da prova a pé.
REUTERS/Jean-Paul Pelissier

A 12ª etapa da Volta da França foi marcada por uma cena surreal: na subida do Mont Ventoux, uma das mais tradicionais da prova, o líder e atual campeão Chris Froome quebrou sua bicicleta e teve que percorrer dezenas de metros a pé, nesta quinta-feira (14).

Por causa do contratempo, o britânico despencou inicialmente para o sexto lugar geral, a cerca de um minuto do compatriota Adam Yates, mas acabou recuperando a camisa amarela de líder uma hora depois, por decisão dos comissários.

Froome sofreu uma queda no final da subida, quando uma moto das equipes de televisão que cobre o evento teve que frear bruscamente, depois de ser bloqueada pela multidão de espectadores e causou um acidente com vários competidores.

Campeão relata acidente

"O Ventoux é cheio de surpresas", resumiu o britânico, que foi campeão da Volta da França em 2013 e 2015. Medalhista da prova contra o relógio de ciclismo nos Jogos Olímpicos de Londres-2012, Froome é considerado um dos favoritos ao ouro no Rio-2016.

"Antes do último quilômetro, uma moto freou bruscamente na nossa frente (ele estava em um grupo com o australiano Richie Porte e o holandês Bauke Mollema) e batemos nela. Outra moto veio atrás e quebrou minha bicicleta", descreveu Froome.

"Eu tive que ir a pé, correndo, porque sabia que o carro com minha outra bicicleta estava muito longe, cinco minutos atrás", relatou. "Estou muito feliz com a decisão dos comissários, que foi correta. Quero agradecê-los, assim como a organização da competição", completou. Com a decisão dos comissários, Froome mantém 47 segundos de vantagem sobre Yates na classificação geral.

Regulamento prevê incidentes especiais

O regulamento prevê que, em caso de incidente, é possível atribuir a um competidor o mesmo tempo que os ciclistas que se encontravam com ele (no caso, Porte e Mollema), mas isso normalmente não se aplica para etapas que terminam com subidas.

"Foi claramente um acidente, isso acontece. Não houve nada intencional, ninguém pode imaginar que alguém possa ter feito isso de propósito", argumentou Dave Brailsford, diretor da Sky, equipe de Froome.
"Para mim, foi uma decisão justa. Richie (Porte), Chris (Froome) e Mollema foram os melhores hoje. E quem sabe Chris poderá fazer a maratona de Paris no ano que vem!", brincou o dirigente.

  • Tweeter

Fonte: Rádio França Internacional

Deixe uma resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome