Nairobi acolheu debate sobre planos contra forças negativas nos Grandes Lagos

0
46

Ouvir /

Grupos rebeldes são considerados responsáveis por violência, exploração ilegal de recursos e aumento da tensão; representantes de Angola e Moçambique estiveram na reunião realizada no Quénia; ONU prioriza proteção de civis.

Said Djinnit. Foto: ONU/Amanda Voisard (arquivo)

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Angola e Moçambique participaram numa análise dos progressos e desafios no combate às chamadas forças negativas no leste da República Democrática do Congo, RD Congo, e na região.

O outro objetivo do encontro, realizado na quarta-feira em Nairobi, foi melhorar e reforçar a estratégia comum para o fim de atividades comerciais ilegais na área africana.

Recursos

Além de cometer atos de violência e violações dos direitos humanos, as ações atribuídas aos grupos incluem exploração ilegal dos recursos naturais e atos que aumentam o clima de tensão e de desconfiança entre os países da região.

Na reunião, o enviado especial da ONU para os Grandes Lagos disse que além das atuais medidas de combate a essas forças, é "importante lembrar o seu impacto sobre a vida das populações vulneráveis".

Said Djinnit declarou que "garantir a proteção de civis contra todas as formas de violência continua a ser uma prioridade nas ações para neutralizar os grupos armados".

Tropas

Moçambique tomou parte na reunião como presidente do Conselho de Paz e Segurança da Comunidade de Desenvolvimento dos Países da África Austral, Sadc.

O ministro da Defesa de Angola, João Manuel Gonçalves Lourenço, liderou o encontro onde participaram os seus homólogos de nações como RD Congo, Ruanda, Burundi, Uganda e países que enviaram tropas para a missão de paz.

Angola preside a Cirgl. Em meados de junho, Luanda acolheu um encontro do bloco regional.

Na ocasião, chefes de Estado e de governo dos Grandes Lagos recomendaram um maior apoio para o exército congolês e para a Missão da Nações Unidas na RD Congo, Monusco, com vista a combater as forças negativas.

Acantonamento

O apelo lançado pelos líderes é que continue o trabalho conjunto para neutralizar esses grupos e acelere o repatriamento dos ex-combatentes desarmados das Forças Democráticas para a Libertação do Ruanda, Fdlr.

O objetivo é que os antigos homens armados sejam acantonados no Ruanda ou recebidos por um terceiro país fora da região.

Fonte: Rádio ONU

Deixe uma resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome