Aula inaugural recepciona estudantes do Setor de Saúde para o ano letivo de 2021

0
4


Esta semana, o Setor de Ciências da Saúde do Campus Irati promoveu sua Aula Inaugural do ano letivo de 2021. Com transmissão pelo YouTube, a atividade teve como intuito a integração entre os cursos de Educação Física, Fonoaudiologia e Psicologia. “Mesmo neste cenário pandêmico, com a necessidade do distanciamento social, que a gente possa, de alguma forma, promover uma integração entre os departamentos, entre os cursos, corpo docente e discente, e assim possamos refletir sobre assuntos que são importantes para as três áreas. A ideia do tema dessa aula tem a ver com as discussões que vem sendo feitas no Setor de Saúde, já há bastante tempo, no que se refere a interdisciplinaridade em saúde, que é a importância do diálogo entre as áreas do saber e essa visão de saúde mais ampliada, em um conceito mais abrangente”, destaca a diretora do Setor, professora Ana Paula Dassie-Leite.

E a proposta da Aula Inaugural do Setor de Saúde foi justamente neste sentido. Intitulada “Fio d’água: o aparecimento das profissões na superfície do terreno não disciplinar da Saúde”, o objetivo da discussão abrangeu as noções de disciplina, interdisciplina e indisciplina na educação e nas práticas em saúde. O convidado para abordar o assunto foi Ricardo Ceccim, professor titular de Educação em Saúde e de Saúde Coletiva no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Durante sua fala, ele relacionou a constituição das disciplinas com as grandes áreas do conhecimento a que pertencem. “São áreas disciplinares, uma vez que a gente considera uma tabela de áreas do conhecimento com grandes disciplinas, por outro lado, são áreas atravessadas e marcadas por um componente interdisciplinar de se reconhecer que os saberes se organizam com a convergência de muitos domínios. A gente está marcado por uma noção de profissões científicas e disciplinas do conhecimento. Quando, finalmente a gente desapegar dessa formulação, a gente vai compreender muito melhor”, diz Ricardo.

Por isso, o professor defende a Saúde Coletiva como o ponto chave para ampliar visões e soluções nas práticas de atendimento dos profissionais da área. “A Saúde Coletiva vai fazer com que a gente olhe para o setor de saúde e compreenda as noções de sistema de saúde, política de saúde, saberes construídos com diferentes vertentes e domínios para dar conta de uma saúde que seja capaz de integralidade, de resolubilidade, de território – noções que não estão fixadas em nenhuma disciplina, mas é a Saúde Coletiva que permite esse trânsito na hora de qualificar profissionais”.

Além da fala do docente convidado, a Aula Inaugural também teve um momento de debate, que foi moderado pelos professores Gustavo Zambenedetti, do Departamento de Psicologia, Luciana Carnevale, do Departamento de Fonoaudiologia, e Silvano Coutinho, do Departamento de Educação Física. Em 2020, esse trio de docentes ministrou a disciplina setorial Saúde Coletiva e Interdisciplinaridade e também coordenou equipes de Irati e União da Vitória durante o projeto de extensão universitária de ações de combate ao coronavírus.

De acordo com o professor Gustavo, a Unicentro conta ainda com outras frentes de atuação interdisciplinar em saúde. “Tem todo um estímulo, há alguns anos, a propostas de reorientação das formações de cursos da Saúde, voltadas para práticas mais articuladas, com um caráter mais interdisciplinar. Na Unicentro, nos três cursos de Saúde do Campus Irati, temos vários projetos que a gente desenvolve de forma interdisciplinar, tem também práticas de estágio que a gente faz em conjunto, práticas de pesquisa e diversas outras iniciativas. Do ponto de vista da formação, a primeira iniciativa conjunta foi a proposição da disciplina Saúde Coletiva e Interdisciplinaridade, que foi proposta como uma disciplina setorial, ofertada aos três cursos da área da Saúde”.

Todas as reflexões propostas durante a Aula Inaugural do Setor de Ciências da Saúde levaram a estudante do quarto ano de Fonoaudiologia Amanda Matheus a valorizar ainda mais o trabalho em equipe quando o assunto é cuidar da saúde da população. “O profissional de saúde não atua sozinho, pois está sempre envolvido em uma rede de atendimentos. É importante a gente se conscientizar disso, da importância desse profissional de saúde, assim como esse trabalho interdisciplinar e multiprofissional. A palestra foi muito importante por conta do incentivo dessa educação interprofissional”.



Fonte

Deixe uma resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome