Suíça financia série na TV nigeriana para dissuadir os migrantes

0
89


Capa - SWI swissinfo.ch

Atualidade suíça em 10 idiomas

pt

Busca na swissinfo

Menu

Busca

Asilo
Suíça financia série na TV nigeriana para dissuadir os migrantes

Por Stefania Summermatter

especiais: Refugiados

Acabar com o mito do eldorado suíço e informar os candidatos africanos à imigração sobre os riscos da viagem à Europa: esse é o objetivo de uma série da televisão nigeriana financiada pela Suíça. Porém o impacto do projeto de 450 mil francos está longe de ser evidente.

Bienvenue en Suisse: un garde-frontière fouille un migrant à Chiasso.

Bienvenue en Suisse: un garde-frontière fouille un migrant à Chiasso.

(Keystone)

Viver na Suíça não é sempre fácil. O jovem nigeriano Joshua teve seu pedido de asilo político negado pelas autoridades e agora é obrigado a passar à clandestinidade. Sua história serve de linha condutora para uma série televisiva intitulada "The missing steps", uma coprodução suíço-nigeriana realizada no contexto da parceria assinada entre os dois países em 2011 para questões migratórias.

Essa ficção em 13 episódios tem um objetivo claro: dissuadir os nigerianos de ir à Suíça para procurar um futuro melhor. "Nós queremos oferecer informações objetivas sobre a migração, mostrar que a travessia (do Mediterrâneo) é perigosa e que os nigerianos têm muito poucas chances de receber asilo político. Queremos também explicar que a vida dos clandestinos na Suíça não é fácil", declarou à rádio pública Lukas Rieder, porta-voz da Secretaria de Estado para Migrações (SEM).

O orçamento previsto para a realização do projeto é de 450 mil francos, fornecidos inteiramente pelo órgão. A série compreende também algumas cenas gravadas na Suíça pelo diretor nigeriano Charles Okafor e sua equipe.

Não é a primeira vez que o governo suíço se lança em um projeto semelhante. Em 2007 já havia financiado um comercial de dois minutos difundido em diversos países africanos como os Camarões e a Nigéria. A mensagem? "Não acredite em tudo o que dizem a você". O clip recebeu críticas, pois mostrava a Suíça "em um dia ruim". Depois em 2013 foi a vez do Kosovo, com dois vídeos publicados no YouTube e destinado aos jovens.

A Suíça não é o único país a financiar campanhas semelhantes. Alemanha, Itália ou Austrália já produziram vídeos com mensagens mais ou menos agressivas, destinadas aos candidatos à migração.

Eficácia duvidosa

A questão é saber se a estratégia funciona. O especialista em assuntos migratórios, Jill Alpes, realizou uma pesquisa de opinião nos Camarões para descobrir como as pessoas se informam antes de emigrar. Ele não está convencido. "A maioria das pessoas conhece perfeitamente os riscos, seja através dos familiares ou amigos", explicou em entrevista à televisão pública. Ela duvida que os filmes tenham um impacto direto nos fluxos migratórios.

A Anistia Internacional se interroga também sobre o impacto das campanhas. "É claro que os migrantes deveriam ser informados corretamente sobre a lei e os procedimentos de asilo na Suíça", explica a jurista Denise Graf. "Mas a Suíça deveria antes de tudo trabalhar para melhorar a situação dos direitos humanos e se engajar por uma melhor distribuição de recursos na Nigéria. Esses são os aspectos fundamentais se queremos que as pessoas tenham a possibilidade de continuar no seu país."

Mas obviamente as campanhas não procuram dissuadir os estrangeiros de viajar à Suíça. Uma análise dos comerciais da Suíça Turismo, o órgão de promoção do turismo do país, mostra que migrantes e turistas não estão na mesma categoria.

Praticamente sem chances

Em 2016, dos 27.207 refugiados solicitaram refúgio na Suíça, 1.106 foram de nigerianos (4,1%). No mesmo ano, dos 1.261 pedidos tratados, apenas três nigerianos receberam asilo e seis a admissão provisória.

swissinfo.ch em português

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

Endereço e-mail


Adaptação: Alexander Thoele,
swissinfo.ch

Escreva o primeiro comentário a este artigo:

Escreva um comentário…

Mais…
Menos…

Direitos Autorais

Todos os direitos reservados. O conteúdo do site da swissinfo.ch é protegido por direitos autorais. Ele é destinado apenas para uso privado. Qualquer outro uso do conteúdo do site além do uso acima estipulado, especialmente no que diz respeito à distribuição, modificação, transmissão, armazenagem e cópia, requer a autorização prévia por escrito da swissinfo.ch. Caso você esteja interessado em algum desses tipos de uso do conteúdo do site, entre em contato conosco através do endereço contact@swissinfo.ch.

No que diz respeito ao uso para fins privados, só é permitido o uso de hyperlink para um conteúdo específico e para colocá-lo no seu próprio site ou em um site de terceiros. O conteúdo do site da swissinfo.ch só poderá ser incorporado em um ambiente livre de publicidade sem quaisquer modificações. Especificamente aplicável a todos os softwares, pastas, dados e seus respectivos conteúdos disponibilizados para download no site da swissinfo.ch, uma licença básica, não exclusiva e não transferível é concedida de forma restrita a um único download e gravação de tais dados em dispositivos privados. Todos os outros direitos permanecem sendo de propriedade da swissinfo.ch. Em especial, proíbe-se qualquer venda ou uso comercial desses dados.

Reutilizar artigo

Suíça financia série na TV nigeriana para dissuadir os migrantes
Stefania Summermatter
27. Fevereiro 2017 – 09:30

Acabar com o mito do eldorado suíço e informar os candidatos africanos à imigração sobre os riscos da viagem à Europa: esse é o objetivo de uma série da televisão nigeriana financiada pela Suíça. Porém o impacto do projeto de 450 mil francos está longe de ser evidente.

Viver na Suíça não é sempre fácil. O jovem nigeriano Joshua teve seu pedido de asilo político negado pelas autoridades e agora é obrigado a passar à clandestinidade. Sua história serve de linha condutora para uma série televisiva intitulada "The missing steps", uma coprodução suíço-nigeriana realizada no contexto da parceria assinada entre os dois países em 2011 para questões migratórias.

Essa ficção em 13 episódios tem um objetivo claro: dissuadir os nigerianos de ir à Suíça para procurar um futuro melhor. "Nós queremos oferecer informações objetivas sobre a migração, mostrar que a travessia (do Mediterrâneo) é perigosa e que os nigerianos têm muito poucas chances de receber asilo político. Queremos também explicar que a vida dos clandestinos na Suíça não é fácil", declarou à rádio pública Lukas Rieder, porta-voz da Secretaria de Estado para Migrações (SEM).

O orçamento previsto para a realização do projeto é de 450 mil francos, fornecidos inteiramente pelo órgão. A série compreende também algumas cenas gravadas na Suíça pelo diretor nigeriano Charles Okafor e sua equipe.

Não é a primeira vez que o governo suíço se lança em um projeto semelhante. Em 2007 já havia financiado um comercial de dois minutos difundido em diversos países africanos como os Camarões e a Nigéria. A mensagem? "Não acredite em tudo o que dizem a você". O clip recebeu críticas, pois mostrava a Suíça "em um dia ruim". Depois em 2013 foi a vez do Kosovo, com dois vídeos publicados no YouTube e destinado aos jovens.

A Suíça não é o único país a financiar campanhas semelhantes. Alemanha, Itália ou Austrália já produziram vídeos com mensagens mais ou menos agressivas, destinadas aos candidatos à migração.

Eficácia duvidosa

A questão é saber se a estratégia funciona. O especialista em assuntos migratórios, Jill Alpes, realizou uma pesquisa de opinião nos Camarões para descobrir como as pessoas se informam antes de emigrar. Ele não está convencido. "A maioria das pessoas conhece perfeitamente os riscos, seja através dos familiares ou amigos", explicou em entrevista à televisão pública. Ela duvida que os filmes tenham um impacto direto nos fluxos migratórios.

A Anistia Internacional se interroga também sobre o impacto das campanhas. "É claro que os migrantes deveriam ser informados corretamente sobre a lei e os procedimentos de asilo na Suíça", explica a jurista Denise Graf. "Mas a Suíça deveria antes de tudo trabalhar para melhorar a situação dos direitos humanos e se engajar por uma melhor distribuição de recursos na Nigéria. Esses são os aspectos fundamentais se queremos que as pessoas tenham a possibilidade de continuar no seu país."

Mas obviamente as campanhas não procuram dissuadir os estrangeiros de viajar à Suíça. Uma análise dos comerciais da Suíça Turismo, o órgão de promoção do turismo do país, mostra que migrantes e turistas não estão na mesma categoria.

Praticamente sem chances

Em 2016, dos 27.207 refugiados solicitaram refúgio na Suíça, 1.106 foram de nigerianos (4,1%). No mesmo ano, dos 1.261 pedidos tratados, apenas três nigerianos receberam asilo e seis a admissão provisória.

×

Destaque



Classe B
Seis coisas sobre a classe média suíça



Em causa própria
Um aplicativo no Android e Apple Store para se integrar …



Política migratória
Suíça aplica de modo muito rigoroso os acordos de Dublin?



especiais
Votações de 12 de fevereiro de 2017



especiais
Guia da Suíça



especiais
O túnel do São Gotardo



Barômetro da Preocupação
Imigração atormenta suíços



especiais
Refugiados

Fonte: Swiss Info

Deixe uma resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome