Prêmio Nobel coloca em questão medicina tradicional

0
99

A medicina tradicional chinesa se tornou muito popular na Suíça e chegou até a ser integrada ao sistema de saúde ao ser incluída na oferta dos seguros. Porém o Prêmio Nobel agraciado à pesquisadora chinesa Youyou Tu, e o possível sucesso do novo tratamento contra a malária, não mancharia a fama da medicina tradicional?

Youyou Tu, fotografada nos anos 1980. (Keystone)

Youyou Tu, fotografada nos anos 1980.

(Keystone)

O Nobel de Medicina foi dividido esse ano. Uma das agraciadas foi a farmacêutica chinesa Youyou Tu pelo desenvolvimento de um medicamento contra a malária, o Artemisinin. Ela foi aclamada na China, mas o prêmio também provocou um intenso debate.

O ex-presidente do Instituto Suíço de Saúde Pública e Tropical (Swiss TPH), Marcel Tanner, não duvidava que Youyou Tu iria receber o Nobel. “Ao pensar em todas as pessoas salvas da malária através do Artemisinin, mais palavras não são necessárias tendo em vista a óbvia importância da descoberta”, diz.

Artemísia

Designação comum aos arbustos e ervas do gên. Artemisia, da fam. das compostas, com cerca de 350 spp., aromáticas e com capítulos pequenos, nativas de regiões temperadas do hemisfério norte e tb. do Oeste da América do Sul e do Sul da África, ger. em áreas secas, algumas cultivadas para tempero culinário, como o estragão, para infusões estimulantes, como o absinto, medicinais ou apenas tomadas como chá. Fonte: Dicionário Houaiss

Também Xudong Wang, professor na Faculdade de Medicina de Nanjing, não questiona os méritos de Tu. Porém faz ressalvas. Apesar de toda euforia e entusiasmo, é preciso impedir que a popularidade do Artemisinin coloque em descrédito a medicina tradicional chinesa.

Inspirado nas tradições

“Você pega um punhado de artemísia (ver quadro), misture com o dobro de quantidade de água, prense as plantas e aproveite o suco”. Essa frase tirada de um guia para o tratamento de doenças agudas do taoísta e alquimista chinês Ge Hong (entre 280 d.C. e 340 d.C) inspirou Tu em suas descobertas. O ingrediente ativo Artemisinin perde uma grande parte de suas propriedades antimalárica ao ser extraído através desses métodos tradicionais da medicina chinesa através da fervura. Sem esse processo, o Artemisinin chega a ter uma taxa de cura de 90%.

Crucial então é o método de extração do fármaco. Essa realidade levanta a questão se o Artemisinin pertence aos medicamentos químicos ou à química da medicina tradicional chinesa.

O Comitê Nobel Norueguês justificou sua escolha através das seguintes palavras: “O Prêmio Nobel desse ano não foi dado à medicina tradicional chinesa, mas a uma personalidade científica que se inspirou na medicina tradicional e, dessa forma, desenvolveu um novo medicamento.”

Tanner, que hoje trabalha como professor na Universidade da Basileia, vê o Artemisinin como um produto conjunto da medicina tradicional e da farmacologia. Em sua opinião, a crítica na China é incompreensível. “É um erro querer discutir sobre esse problema. O método não importa, mas sim o fato de que o Artemisinin é, em si, uma grande descoberta.”



 (Ex-press)

Cinco colunas

Medicina tradicional chinesa


A medicina tradicional chinesa é praticada há mais de dois mil anos. Dentre as diversas práticas e terapias estão a acunputura, técnicas de …

Saúde

O professor Wang contrapõe. “Mesmo se Tu conseguiu desenvolver o Artemisinin através dos métodos da farmácia moderna, não é possível deixar de pensar na medicina tradicional, de onde ela afinal tirou a sua inspiração. Essa realidade foi ignorada pelo Comitê Nobel.”

Cientista questionada

Na China, o currículo da pesquisadora laureada também é tema de discussões: ela não tem título de doutorado, não pertence à Academia Chinesa de Ciências e também nunca estudou ou pesquisou no exterior. Porém, mesmo sem títulos acadêmicos, Youyou Tu salvou milhões de vidas com o seu medicamento, consideram seus defensores.



 (Christian Heuss / Swiss TPH)

Malária

Medicina tropical na Tanzânia


O ex-diretor Instituto Suíço de Saúde Pública e Tropical (Swiss TPH), Marcel Tanner, viajou muitas vezes para a Tanzânia. O país africano faz …

“Nesse sentido a Youyou Tu é, de fato, uma desconhecida”, afirma Wang. “Para padrões chineses a Tu não se destaca em muitos aspectos, o que explica uma certa inveja e desconforto que provocou ao receber o prêmio. Porém, no exterior, as pessoas só veem a descoberta e não seu status social. Nesse ponto, eu louvo a decisão do Comitê Nobel. Para algumas instituições científicas no nosso país, isso serviu como um alerta.”

Xudong Wang  (zvg)

Xudong Wang

(zvg)

Nesse contexto, Tanner cobra uma certa flexibilidade das instituições: pessoas sem título, capazes de ter um desempenho fora do comum e, cujo trabalho tragam frutos para a sociedade, devem receber um título de doutor honoris causa. “Se a Youyou Tu trabalhasse na Suíça, ela receberia automaticamente o título”. Decisivo não é o título, mas sim uma cabeça inteligente.

Sucesso da medicina chinesa tradicional

A medicina tradicional se popularizou na Suíça nos últimos anos. Ela foi aceita no sistema básico de saúde, o que significa que seus tratamentos podem ser cobertos pelos seguros na Suíça.

Segundo o professor Xudong Wang, da Faculdade de Medicina de Nanjing, China, o número de consultórios e terapeutas na Suíça passou de uma dúzia a alguns milhares no país. E cada vez mais estudantes se interessam pelo tema.

A Associação Suíça Médica para a Acupuntura e Medicina Chinesa não dispõe de estatísticas, mas registra 500 consultórios especializados no tema.

Tradições sem importância?

Apesar da recepção efusiva do Prêmio Nobel na China, o professor Wang critica. “Esse prêmio não é necessariamente algo positivo para a medicina tradicional chinesa. Possivelmente pode levá-la a um beco sem saída.”

Como Tu chegou ao Prêmio Nobel através de métodos experimentais associados à medicina tradicional, “é possível que ela seja influenciada pela medicina ocidental”, diz e complementa. “E isso pode fazer com que a política chinesa em relação à medicina tradicional mude, fazendo com que o Estado apoie cada vez mais, financeiramente e politicamente, a pesquisa de laboratório”. Wang alerta: “Tentar analisar a medicina tradicional, com seu caráter holístico, com o reducionismo da medicina ocidental, é como se fosse condená-la a pena de morte!”

O Artemisinin salvou até hoje milhões de vidas. A sua importância não pode ser vista apenas através do prisma de um Prêmio Nobel. Youyou Tu é uma acadêmica ou não? A pergunta – se sua descoberta é um medicamento da medicina tradicional ou da medicina moderna – é verdadeiramente importante? O professor Wang relativiza: “Se não houver mais doenças, então a questão de saber quem deve receber o Prêmio Nobel também seria obsoleta.”

Malária e Suíça

A Suíça participa na luta contra a malária através de diversos projetos.

Em 1948 o químico suíço Paul Hermann Müller pesquisou os efeitos do inseticida DDT no combate à malária. Graças ao seu trabalho, Müller recebeu o Prêmio Nobel de Química.

O Instituto Suíço de Saúde Pública e Tropical (Swiss TPH) foi a primeira instituição no mundo a aplicar o Artemisinin em tratamento de crianças na África.

Adaptação: Alexander Thoele

Fonte: Swiss Info

Deixe uma resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome