Moda conta sua história nos museus da França

0
128
  • Tweeter

França

Moda

Exposição

Moda conta sua história nos museus da França

Por

Silvano Mendes

mediaMarilyn Monroe usava Dior durante a "última sessão" fotográfica realizada para a revista Vogue em Los Angeles, em 1962
@ Bert Stern

A história da moda é tema de várias exposições em cartaz atualmente na França. Enquanto alguns museus apostam no discurso cronológico tradicional, outros decidiram mudar o foco e ir além dos tecidos e das passarelas.

A ex-editora da revista Vogue americana Diana Vreeland chocou o mundo das artes nos anos 1970 ao expor a obra de Yves Saint Laurent no Metropolitan Museum de New York. O evento, que levava pela primeira vez o trabalho de um costureiro vivo a um museu, abriu as portas das instituições culturais para uma prática cada vez mais frequente: as exposições de moda. Mas nos últimos tempos esse fenômeno se intensificou, a tal que ponto que, atualmente, a qualquer momento do ano é possível visitar uma mostra sobre o tema na França ou no exterior.

Um bom exemplo pode ser visto nesse momento com À vos pieds (A seus pés), uma exposição sobre a evolução dos calçados, inaugurada em 7 de junho e em cartaz até abril de 2017 no Museu Confluences, em Lyon. Ou ainda Fashion Forward, 3 siècles de Mode (Moda adiante, 3 séculos de Moda), que recebe turistas e fãs do assunto no museu das Artes Decorativas de Paris até 14 de agosto.

Entre história e fetichismo

Diante do número cada vez maior de eventos do gênero, as instituições não poupam esforços e criatividade para dar vida às roupas em suas salas de exposições. Esse é o caso da exposição Anatomie d’une collection (Anatomia de uma coleção), em cartaz até 23 de outubro no Palácio Galliera, o outro museu da moda de Paris.

Concebida por Olivier Saillard, diretor da instituição, a mostra reúne uma centena de peças de roupas e acessórios de seus arquivos, que resumem a moda do século 18 até os dias de hoje. No entanto, além do espartilho de Maria Antonieta e do vestido da imperadora Joséphine, passando pelo casaco da estilista Elsa Schiaparelli, que proporcionam ao visitante tem uma overdose de celebridades históricas bem vestidas, a exposição também se interessa pela relação das roupas com seus proprietários. Aliás, as luvas de Sarah Bernhardt ou a coleção de tocas Givenchy usadas por Audrey Hepburn ressaltam esse aspecto, entre poesia e fetichismo.

Mas segundo Alexandra Bosc, uma das conservadoras do Palácio Galliera, a escolha dos objetos expostos não se concentra apenas em peças emblemáticas, mas também naquelas que “às vezes tem apenas um valor sentimental”, como os aventais de camareiras que cercam a sala principal da mostra.

Dior aposta nas celebridades

A algumas horas da capital da moda, em Granville, na Normandia, o museu Christian Dior preferiu apostar nas clientes célebres da marca do inventor do New Look. Com a exposição Femmes en Dior, sublime élégance d'un portrait (Mulheres em Dior, sublime elegância de um retrato), em cartaz até 25 de setembro, a grife apresenta peças do guarda-roupa de algumas das mulheres mais famosas do mundo.

Uma série de fotos e objetos mostram como aristocratas, como as princesas Grace de Monaco ou Soraya do Irã, estrelas do cinema, como Marilyn Monroe e Elisabeth Taylor, ou ainda cantoras como Joséphine Baker, Maria Callas e até Rihanna, entraram para a história da elegância graças as criações da maison.

Mas para a historiadora da moda Florence Müller, que pilotou a exposição, a mostra vai bem além de um simples lista de celebridades. “Não são apenas mulheres que fazem pose diante dos fotógrafos. São mulheres que têm algo importante e forte a dizer”. E para algumas delas, a moda parece ser a melhor maneira de se exprimir.

Veja imagens das exposições sobre a história da moda em cartaz na França
  • O "chapéu-calçado" desenhado por Elsa Schiaparelli nos anos 1930 para Gala Dalí faz parte das peças apresentadas no Palácio Galliera
    ®Eric Poitevin/® Fundacio Gala-Salvador Dali-ADAGP 2016

  • Animal guardião e devorador de demônios, o tigre protegia as crianças dos fantasmas na China do século 19. Calçado exposto em Lyon na mostra "A seus pés".
    Quentin Lafont, musée des Confluences

  • Conhecido como "New Look", o tailleur desenhado por Dior 1947, no centro da imagem, está exposto no museu das Artes Decorativas de Paris.
    Silvano Mendes/RFI

  • A mostra "Anatomia de uma coleção" aborda a relação das roupas com seus donos.
    © Pierre Antoine

  • Vestida de Dior, a princesa Margaret impressionou ao entrar no baile do Círculo Interallié organizado em prol do Hertford British Hospital, em 1951.
    @ Rue des Archives/AGIP

  • Sapatos de seda usados pela dinastia Manchu, na China do século 18, estão expostos em Lyon.
    Quentin Lafont – Musée des Confluences

  • O palácio Galliera expõe alta-costura ao lado de aventais de camareiras e uniformes de trabalho.
    © Pierre Antoine

  • Visitantes admiram percurso cronológico proposto pelo museu das Artes Decorativas de Paris.
    Silvano Mendes/RFI

  • Tweeter

Fonte: Rádio França Internacional

Deixe uma resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome