Imprensa internacional evoca viés político no processo contra Lula

0
136
  • Tweeter

Lula

Brasil

Política

Sérgio Moro

Justiça

Imprensa internacional evoca viés político no processo contra Lula

mediaO ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, durante entrevista coletiva, em 15/09/16.
Foto: Reuters

A decisão do juiz Sérgio Moro de processar o ex-presidente Lula por corrupção passiva e lavagem de dinheiro tem ampla repercussão na imprensa internacional nesta quarta-feira (21). Jornais na Europa e nos Estados Unidos informam que Lula se tornou réu pela segunda vez no mega escândalo da Petrobras, acusado de ter recebido R$ 3,7 milhões em benefícios da construtora OAS, uma das principais envolvidas no escândalo do "Petrolão".

Segundo o jornal francês Le Monde, o juiz Sérgio Moro "está disposto a enfrentar a controvérsia de uma acusação baseada em frágeis indícios, já tendo demonstrado capacidade de gerenciar a emoção de milhares de brasileiros que consideram o ex-presidente um ídolo".

No texto explicativo sobre o caso, Le Monde destaca que até jornalistas conservadores, como Reinaldo Azevedo, da revista Veja, e um editorialista da Folha de S.Paulo consideraram as acusações do procurador Deltan Dallagnol inconsistentes. "Na avaliação de pessoas próximas do ex-presidente, esse novo capítulo judiciário confirma que o líder mais carismático da esquerda brasileira é vítima de perseguição", diz o texto. "Qualquer que seja o veredito, a imagem de Lula e a de todos os grandes partidos políticos no Brasil já está seriamente abalada", conclui Le Monde.

Para o jornal Le Parisien, "o ex-homem forte e carismático da América do Sul deverá, agora, se explicar diante da justiça e da opinião pública".

Palco para processo politizado

O britânico The Guardian avalia que está montado "o palco para o processo judicial mais politicamente sobrecarregado da história moderna do Brasil", ressaltando que o novo presidente brasileiro, Michel Temer, também está implicado no escândalo.

"Os promotores alegam que Lula manteve seu partido – e seus aliados, incluindo o PMDB de Temer – no poder, com os fundos ilegalmente obtidos a partir de contratos superfaturados de empresas administradas pelo governo, como a Petrobras", explica o The Guardian.

"Mas defensores do Partido dos Trabalhadores afirmam que a operação Lava Jato é politicamente tendenciosa e que a maioria dos acusados não seria julgada em outras partes do mundo." The Guardian finaliza o texto dizendo que o medo dos políticos em Brasília é tão grande que os deputados tentaram, ontem, votar um projeto na Câmara para anistiar os que recorreram ao caixa dois em eleições passadas.

Denúncias frágeis?

O diário espanhol El Pais, em sua versão para o Brasil, analisa os "recados" enviados pelo juiz Sérgio Moro em seu despacho, principalmente no que diz respeito à fragilidade das denúncias. São citadas as frases "certamente, tais elementos probatórios são questionáveis”, mas “nessa fase preliminar, não se exige conclusão quanto à presença da responsabilidade criminal, apenas justa causa”. El País sublinha que na percepção de Moro "tornar os acusados réus não equivale a ter juízo conclusivo quanto à presença da responsabilidade criminal”.

Nos Estados Unidos, o New York Times lembra que Lula está entre os principais concorrentes da próxima eleição presidencial, em 2018, e que, se Moro considerá-lo culpado, ele ficará inelegível. O jornal americano observa que Moro anunciou sua decisão no mesmo dia que o sucessor de Dilma, Michel Temer, defendeu o impeachment em seu discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas.

  • Tweeter

Fonte: Rádio França Internacional

Deixe uma resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome