“Estava pronto para morrer”, diz homem que tentou impedir atentado em Nice

0
105
  • Tweeter

França

Atentado em Nice

Ataques

Terrorismo

"Estava pronto para morrer", diz homem que tentou impedir atentado em Nice

Por

RFI

mediaCaptura de vídeo do motociclista que tentou parar o caminhão que avançou contra a multidão na noite de quinta-feira (14) em Nice.
Captura de vídeo/RFI

Franck, o homem que nas fotos e imagens aparece em uma moto ao lado do caminhão dirigido por Mohamed Lahouaiej Bouhlel, autor do ataque em Nice, tentou impedir a tragédia, colocando a própria vida em risco. Ele deu um depoimento publicado nesta quinta-feira (21) ao jornal francês Nice Matin.

Naquela fatídica noite de 14 de julho, Franck estava com sua mulher no Passeio dos Ingleses, onde iriam tomar um sorvete e assistir aos fogos de artifício da festa nacional francesa. “Desistimos de ver os fogos e fomos comprar nosso sorvete. Tudo estava normal, cruzamos de moto várias pessoas que voltavam para casa”, declara.

Foi quando ele começou a ouvir os gritos e a multidão correr em sua direção. Logo em seguida, veio o caminhão de 19 toneladas, que atropelava tudo pela frente. “Eu devia estar a 60 km/h. Nem tive tempo de olhar pelo retrovisor. Ele me ultrapassou e andava em cima da calçada. As imagens dos corpos voando para todos os lados não saem da minha cabeça”, conta.

"Estava determinado a ir até o fim"

nicematin.com

Foi nesse momento que ele pediu à sua mulher que descesse da moto e acelerou, na direção do caminhão. “Eu estava determinado a ir até o fim. Sabia que iria morrer, mas eu só vi a traseira daquele caminhão na minha frente. Meu objetivo era entrar na cabine. Não estava no meu estado normal, mas estava lúcido.” Foi nesse momento que ele jogou a moto contra o caminhão, caiu, saiu correndo, e conseguiu chegar na escada que dava acesso até a cabine do motorista.

Pela janela, Franck começou a bater em Mohamed Lahouaiej Bouhlel, que tentou atirar, mas a arma, diz, não estava funcionando. Ele acabou levando uma coronhada na cabeça e caiu. “Fui detido pela polícia, que deve ter pensado que eu fosse um terrorista. Quando entenderam o que aconteceu, acabei sendo arrolado como principal testemunha”, conta.

Hematoma na cabeça e costela machucada

“Minha força e coragem vieram do fato que eu sabia que meu fillho estava nas proximidades.” Franck saiu quase ileso, apenas com um hematoma na cabeça e uma costela machucada. Mas ainda se recupera do trauma que certamente o acompanhará o resto da vida.

  • Tweeter

Fonte: Rádio França Internacional

Deixe uma resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome