Unicef faz alerta sobre segurança de crianças em Mianmar

0
23

09/11/2016

Unicef faz alerta sobre segurança de crianças em Mianmar

Ouvir /

Agência da ONU cita especificamente os menores que vivem no Estado de Rakhine; conflitos na região cortaram assistência humanitária para milhares de crianças nas últimas semanas.

Crianças em escola em Hakha, no Mianmar. Foto: Unicef/Mohammad Badrul Hassan

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, fez um alerta sobre a segurança das crianças no estado de Rakhine, no norte de Mianmar.

A agência da ONU pediu ao governo birmanês que proteja os menores que vivem na região de todas as formas de violência e que apoie investigações imediatas e independentes sobre as graves violações cometidas contra eles.

Assistência Humanitária

Em comunicado, o Unicef disse que "a piora do conflito intercomunitário em Rakhine está tendo um efeito terrível sobre as crianças. Milhares delas não estão recebendo assistência humanitária".

O Fundo da ONU afirma que "essas crianças já sofrem de altos níveis de desnutrição e privação". A agência explica que o futuro desses menores depende da ajuda de médicos, enfermeiras, professores e outras pessoas que possam fornecer serviços de educação, saúde e nutrição.

O Unicef disse que conseguiu levar alguma ajuda a essas crianças recentemente, mas pediu "a retomada da entrega de serviços essenciais".

Tortura

Além disso, a agência quer a suspensão de todas as restrições impostas ao movimento de profissionais de saúde para que eles possam ter acesso às crianças e suas famílias.

No mês passado, a relatora especial da ONU sobre Direitos Humanos em Mianmar, Yanghee Lee, expressou preocupação com a situação em Rakhine, incluindo o assassinato de nove policiais.

Ela citou operações de segurança que levaram a várias alegações de violações dos direitos humanos, entre elas tortura, maus-tratos durante interrogatórios, execuções sumárias e destruição de mesquitas em vilarejos de maioria muçulmana.

Compartilhe

Fonte: Rádio ONU

Deixe uma resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome