Sudão do Sul: Um povo traído

0
61

16/12/2016

Sudão do Sul: Um povo traído

Artigo* do secretário-geral defende que faltou lealdade dos líderes à confiança do povo; Ban Ki-moon sobre potencial risco de violíncia recorrente se tranformar em genocídio.

Celebrações da independência do Sudão do Sul em 2011. Foto: ONU/Paul Banks

*Com a opinião de Ban Ki-moon sobre o conflito Sudão do Sul

O secretário-geral das Nações Unidas assina um artigo que marca o terceiro ano do conflito no Sudão do Sul. Os confrontos começaram em dezembro de 2013 com desentendimentos entre o presidente Salva Kiir e o seu então vice-presidente Riek Machar.

Ban recorda que participou nas celebrações da independência do país em 2011 na capital, Juba. Lembrando o momento, ele destaca a "esperança de que o povo sofredor no país rico em petróleo veria finalmente os frutos de um dividendo de paz depois de uma longa guerra civil".

Preço

O chefe da ONU destaca, no entanto, que pelo contrário, o povo do Sudão do Sul enfrenta um triste aniversário. Ele destaca o "terrível preço e o aumento dos confrontos", que já provocaram a morte de dezenas de milhares de pessoas.

Ban destaca ainda a destruição do tecido social do Sudão do Sul. "A economia está em ruínas. Milhões foram deslocados das suas casas. A fome e a pobreza são desenfreadas."

As pessoas que carecem de ajuda essencial ultrapassam 6 milhões. O secretário-geral alerta que à medida que o conflito se intensifica, esse número está crescendo rapidamente. No mesmo ritmo seguem "as restrições impostas pelo Governo do Sudão do Sul à Missão das Nações Unidas no Sul do Sudão, Unmiss, e às organizações humanitárias".

Traição

Ban revela que o povo do Sudão do Sul expressou esperança após a independência após décadas de guerra. Ele atribui aos líderes do

Ban Ki-moon em visita ao Sudão do Sul. Foto: ONU/Eskinder Debebe

país "a responsabilidade primária pela traição da confiança popular trazendo o país à ruínas e a mais miséria."

Em relação ao presidente Salva Kiir, Ban disse que "continuou com uma estratégia baseada na etnia para suprimir a dissidência, amordaçar a mídia, excluir atores significativos no processo de paz no Sudão do Sul e implementar de forma unilateral um acordo para realizar eleições".

Perante combates que se alastraram por todo o país, Ban cita a ação de líderes de grupos armados sul-sudaneses, incluindo o chefe do principal Riek Machar por "estarem intensificando o conflito e manipulando a etnicidade para obter ganhos políticos".

Limpeza étnica

O chefe da ONU declara que é bastante real o "risco de se intensificarem essas atrocidades em massa, que incluem episódios recorrentes de limpeza étnica, e se transformarem num possível genocídio"

Como sugestões, Ban defende o fim dos combates, seguido por um processo político genuinamente inclusivo. Se isso não acontecer de forma imediata, "o Conselho de Segurança deve impor um embargo de armas e sanções específicas para alterar os planos das partes e convencê-las a optar pelo caminho da paz".

Crimes desprezíveis

Para o chefe da ONU é também crucial a prestação de contas para que "os responsáveis por esses crimes desprezíveis enfrentem a justiça – dos níveis mais altos até os soldados de infantaria que estão seguindo ordens."

Tropas das Nações Unidas no Sudão do Sul. Foto: Unmiss

No fim da nota Ban frisa que o tempo está se esgotando enquanto as partes em guerra se preparam para outro ciclo vicioso de violência após o fim da estação chuvosa. Ban deixa a responsabilidade pela restauração de um diálogo inclusivo em todos os líderes do Sudão do Sul."

O secretário-geral que serão impostas sanções aos líderes de ambas as partes pela "comunidade internacional, a região e o Conselho de Segurança" com um possível fracasso em particular aos líderes de ambas as partes. "Devemos isso ao povo do Sul do Sudão, que sofreu muito, por muito tempo", ressalta.

Compartilhe

Fonte: Rádio ONU

Deixe uma resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome