Para OMS, países estão começando a agir na luta contra doenças crônicas

0
36

Ouvir /

Diabetes, câncer, doenças do coração ou do pulmão representam juntas a maior causa de mortes entre pessoas com menos de 70 anos; ações nacionais precisam ser intensificadas para proteger população.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

Fixar um imposto sobre tabaco ou álcool está entre as medidas fiscais mais aplicadas pelos países. Foto: Banco Mundial/Alex Baluyut

A Organização Mundial da Saúde, OMS, avalia que os países estão começando a agir para prevenir doenças não-transmissíveis. Mas é preciso aumentar os esforços em escala nacional para proteger a população de doenças do coração e do pulmão, câncer e diabetes.

Juntas, essas quatro doenças crônicas são responsáveis pela maior parte das mortes de pessoas com menos de 70 anos. Uma pesquisa global divulgada pela OMS mostra que muitos países estão progredindo no controle dessas enfermidades.

2030

São nações que implementaram medidas ligadas ao uso do tabaco e do álcool e também iniciativas para promover dietas saudáveis e atividades físicas. A OMS destaca que vários países, inclusive alguns muito pobres, estão progredindo na redução de mortes prematuras ligadas a doenças crônicas.

Mas em países de rendas baixa e média, os progressos são insuficientes e desiguais. Mais ações são necessárias desde já, porque um dos objetivos da Agenda 2030 é reduzir as mortes prematuras por doenças crônicas em um terço.

Refrigerantes

Até o momento, 60% dos países criaram metas nacionais neste sentindo e 92% colocaram a prevenção de doenças crônicas em seus projetos de saúde. Fixar um imposto sobre tabaco ou álcool está entre as medidas fiscais mais aplicadas pelos países.

Em 18% das nações que integram a OMS, houve intervenção fiscal para o consumo de refrigerantes ou outras bebidas com açúcar e para alimentos com alto teor de gordura, açúcar ou sal.

Segundo a OMS, as doenças crônicas causaram 38 milhões de mortes em 2012, sendo 42% em pessoas com menos de 70 anos de idade. A maioria vivia em países em desenvolvimento.

Leia e Ouça:

Unicef: mortes de adolescentes devido à Aids dobraram desde 2000

Sudão do Sul: OMS intensifica ajuda a deslocados internos

OMS declara Índia livre do tétano materno e neonatal

Fonte: Rádio ONU

Deixe uma resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome