Ocha: ocupação israelense é principal obstáculo para assistência a palestinos

0
75

Ouvir /

Escritório da ONU para Coordenação de Assuntos Humanitários divulga documento sobre 50 anos da ocupação; são 4,8 milhões de palestinos sofrendo com violações de direitos humanos; ataques dos dois lados continuam.

Prédios destruídos devido aos bombardeamentos na Faixa de Gaza. Foto: Unwra

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

As necessidades humanitárias nos territórios ocupados palestinos continuam sendo prejudicadas pela ocupação de Israel e pelo conflito contínuo. A afirmação foi feita esta segunda-feira pelo Escritório da ONU para Coordenação de Assuntos Humanitários, Ocha.

O chefe do Ocha nos territórios palestinos lembrou que o mês de junho marca os 50 anos da ocupação. Segundo David Carden, 4,8 milhões de civis palestinos precisam de ajuda e sofrem os impactos de violações dos direitos humanos.

Uso da Força

O total de palestinos mortos e feridos na Cisjordânia por forças de segurança de Israel foi o maior desde que o Ocha começou a fazer a contagem, em 2005. No ano passado, muitos israelenses também foram atacados e as forças de segurança do país "responderam com uso excessivo da força".

O número de árvores de palestinos danificadas, roubadas ou desenraizadas em incidentes ligados à ocupação foi o maior desde 2006: mais de 11,2 mil. Até o fim do ano passado, mais de 6 mil palestinos estavam em prisões israelenses, incluindo 422 crianças detidas.

Bloqueio Econômico

Na Faixa de Gaza, o Ocha não registrou nenhum novo caso de deslocamento, mas em geral, são 70 mil palestinos deslocados, enfrentando condições de vida difíceis após terem suas casas destruídas.

Apesar de ter melhorado o total de bens autorizados a entrar na Faixa de Gaza, o bloqueio econômico continua prejudicando a vida dos palestinos, na avaliação do Escritório.

A assistência humanitária na Área C, por exemplo, está sendo cada vez mais destruída por autoridades israelenses, que também impedem o acesso a Gaza, de acordo com o relatório do Ocha.

Fonte: Rádio ONU

Deixe uma resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome