Líbia: explosivos improvisados foram a maior causa de morte de civis em junho

0
43

Ouvir /

Avaliação das Nações Unidas indica que mais de um terço das vítimas perderam a vida em Bengazi; lista de motivos inclui bombardeamentos, tiros e restos de guerra explosivos.

Líbia. UNHCR/Helen Caux

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Engenhos explosivos improvisados foram a principal causa de morte na Líbia em junho.

A Missão da ONU no país, Unsmil, revelou esta sexta-feira que as vítimas do tipo de armas correspondem a sete dos 18 casos fatais que ocorreram por causa das hostilidades no período.

Bombardeamentos

Durante o mês, a violência provocou 31 feridos fazendo subir o total de vítimas para 49 em todo o país.

A segunda causa principal de morte foram ataques aéreos que causaram seis óbitos. Seguem-se os bombardeamentos, os tiros e os restos de guerra explosivos. Entre as vítimas mortais estão quatro crianças.

Carro Armadilhado

Na cidade de Bengazi, a segunda maior da Líbia, a Unsmil documentou 10 mortes e 24 feridos. No segundo maior centro urbano líbio ocorreram quatro ataques em hospitais. A 24 de junho cinco pessoas perderam a vida após a explosão de um carro armadilhado.

A segunda área com mais vítimas foi Derna, com seis mortos. Na cidade, o Exército e a Força Aérea da Líbia confirmaram ter realizado ataques aéreos que serão investigados.

A Unsmil disse que não foi capaz de determinar exatamente as outras partes dos confrontos que teriam causado vítimas civis em junho. A capital Trípoli teve dois mortos.

Tortura

A Unsmil anunciou que também recebeu relatos de dois homens mortos depois de terem sido raptados. Os seus corpos apresentavam sinais de tortura e ferimentos de bala na cabeça e em outras partes.

Dois outros detidos pelas forças de segurança depois de terem sido acusados de cometer crimes foram executados publicamente em Gaser Bengashire, nos arredores de Trípoli, sem qualquer processo legal.

Leia e Oiça:

ONU entrega à Libéria responsabilidade total pela segurança

Fonte: Rádio ONU

Deixe uma resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome