Grandes emissores de poluentes precisam ajudar nações como Madagáscar

0
54

01/11/2016

Grandes emissores de poluentes precisam ajudar nações como Madagáscar

Ouvir /

Apelo é do relator especial das Nações Unidas sobre direitos humanos e desenvolvimento; John H. Knox explica que país africano é um dos mais vulneráveis do mundo à mudança climática.

John Knox. Foto: ONU/Violaine Martin

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O relator especial das Nações Unidas sobre direitos humanos e meio ambiente está a fazer um apelo aos principais emissores de gases que causam o efeito estufa.

John H. Knox pede ação sem demoras para que países vulneráveis como o Madagáscar consigam evitar os piores efeitos da mudança climática. Segundo o relator, o país é um dos que mais sofrem no mundo com o problema.

Financiamento

Knox espera que os grandes emissores de gases implementem os compromissos do Acordo de Paris, que entra em vigor na sexta-feira, 4 de novembro. Ao mesmo tempo, o relator espera que países desenvolvidos forneçam assistência financeira às nações vulneráveis, para que possam lidar com os efeitos da mudança climática.

O especialista em direitos humanos nota que a atual seca no sul de Madagáscar está a deixar 800 mil pessoas a sofrer com insegurança alimentar, ainda um dos impactos do El Niño, fenómeno que foi mais forte entre 2015 e 2016 devido ao aquecimento global.

Catástrofe

Para evitar uma "catástrofe", o país precisa de mais de US$ 100 milhões em financiamento adicional. John Knox acredita que o aumento das temperaturas continuará a contribuir com a frequência e a gravidade das secas.

O clima extremo e o aumento do nível do mar também diminuiram a capacidade dos civis do Madagáscar de aproveitar seus direitos à comida, à saúde, à água e à habitação.

Knox acaba de encerrar uma visita oficial ao país e esteve em um parque em Andasibe, onde uma associação local protege lêmures, camaleões e outras espécies ameaçadas, além de replantar sementes, fornecer educação ambiental e promover o ecoturismo.
Relatório

Para o relator, o trabalho dessas comunidades é essencial para proteger as espécies do Madagáscar, que são ameaçadas também pelo tráfico. O especialista espera que o governo e a comunidade internacional ampliem ações contra o comércio ilegal de animais e de madeira.

Knox passou sete dias no país, onde teve encontros com representantes do governo e da sociedade civil. O especialista apresentará um relatório sobre direitos humanos e meio ambiente no Madagáscar em março, no Conselho de Direitos Humanos da ONU.

Leia e Oiça:

Grave fome deve persistir até 2017 em Madagáscar, alerta FAO

Preço das commodities agrícolas deve permanecer estável no próximo ano

Agência da ONU aumenta operações de emergência no sul de Madagáscar

Compartilhe

Fonte: Rádio ONU

Deixe uma resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome