Conselho de Segurança em consultas informais sobre Sudão do Sul

0
39

Ouvir /

Subsecretário-geral para Operações de Paz, Hervé Ladsous, disse que a situação no país é de incerteza após onda de violência que começou na quinta-feira e já deixou mais de 270 mortos.

Membros do Conselho de Segurança reunidos nesta quarta-feira. Foto: ONU/Manuel Elias

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.

Os 15 países-membros do Conselho de Segurança da ONU estão reunidos em consultas informais após a abertura de um encontro na manha de quarta-feira para debater a situação no Sudão do Sul.

O subsecretário-geral para Operações de Paz, Hervé Ladsous, afirmou que existe um clima de incerteza no país. Na quinta-feira, uma nova onda de violência entre forças leais ao presidente e ao vice-presidente deixaram mais de 270 mortos.

Tiroteios

Ladsous lembrou a última reunião que teve no Conselho em 10 de julho e o cessar-fogo declarado pelo presidente Salva Kiir na noite de 11 de julho, e depois endossado pelo primeiro-vice-presidente, Riek Machar.

Segundo Ladsous, o cessar-fogo está sendo respeitado em Juba, capital sul-sudanesa, com exceção de alguns tiroteios esporádicos em algumas partes da cidade.

As forças do exército, SPLA, parecem ter o controle da capital, mas houve algumas pilhagens na madrugada de 11 para 12 de julho.

As tropas da ONU estão realizando algumas patrulhas limitadas para garantir a segurança. O aeroporto da cidade já foi reaberto e as pistas foram checadas contra a colocação de qualquer explosivo.

Avaliação

Mas segundo o secretário-geral, apesar da cessação de hostilidades, o governo ainda precisa autorizar a passagem de trabalhadores humanitários da Missão da ONU no país, Unmiss, para que os civis afetados pela violência recebam ajuda. Seis dias após o início da crise ainda é impossível fazer uma avaliação exata das necessidades.

Algumas agências que trabalham em parceria com a ONU estimam que pelo menos 42 mil civis foram deslocados até a manhã de quarta-feira pelos combates em Juba.

Dos 272 mortos até o momento, 33 são civis. O representante do Sudão do Sul também discursou na abertura do encontro e lembrou da formação do Governo de Transição de Unidade Nacional, em abril.

O diplomata afirmou que os recentes incidentes de violência são considerados "golpes" e um retrocesso para o plano de paz do país.

O Sudão do Sul é a mais nova nação do mundo. Em meados de junho, o secretário-geral da ONU divulgou um relatório sobre a renovação do mandato da Unmiss.

Fonte: Rádio ONU

Deixe uma resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome