Chefe humanitário pede reforço da ajuda após combates no Sudão do Sul

0
37

Ouvir /

Plano de contingência é executado em Juba; parceiros procuram apoio para os afetados pelos quatro dias de confrontos; agências de notícias informaram que cidade continua relativamente calma após declaração de cessar-fogo.

Deslocados abrigados em instalações da ONU durante os combates. Foto: Unmiss.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O coordenador Humanitário da ONU no Sudão do Sul pediu aos doadores internacionais que reforcem o apoio à ação humanitária ao país devido à “grande quantidade de pessoas que precisam de assistência com urgência”.

Em nota, Eugene Owusu afirmou que é preciso aumentar os recursos porque as necessidades aumentaram após os mais recentes combates entre forças leais ao presidente Salva Kiir e as forças que apoiam o primeiro vice-presidente Riek Machar.

Necessidades Humanitárias

De acordo com as Nações Unidas, somente 40% dos US$ 1,3 mil milhões pedidos para este ano foram recebidos para responder às necessidades humanitárias dos sul-sudaneses.

Agências de notícias informaram que após o cessar-fogo declarado na segunda-feira, Juba é uma cidade tranquila e sem helicópteros ou tanques a circular. As lojas continuam fechadas. Pelo menos 272 pessoas perderam a vida durante os quatro dias de intensos combates.

O responsável disse que parceiros humanitários que atuam no terreno ativaram um plano de contingência para a maior cidade do país e buscam mais apoio para os afetados pelos confrontos.

Combates

Mas o pedido às partes envolvidas é que garantam acesso seguro e sem restrições às organizações humanitárias para garantir que estas cheguem a todos os carenciados, incluindo nos locais mais atingidos pelos combates.

Os mais de 36 mil deslocados estão abrigados em instalações da ONU, ONGs, escolas e igrejas de Juba. A maioria é composta por mulheres e crianças. Uma parte deles começou a voltar para casa e a outra continua preocupada com sua segurança.

O coordenador lembra que antes dos novos combates em Juba, a situação humanitária no Sudão do Sul já estava difícil.

Os níveis de insegurança alimentar eram considerados “sem precedentes”, no país que tem um deslocado em cada cinco habitantes.

Leia e Oiça:

Sudão do Sul preocupa conselheiro da ONU para prevenção ao genocídio

Novos confrontos no Sudão do Sul já mataram mais de 270 pessoas

Fonte: Rádio ONU

Deixe uma resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome