Chefe do FMI diz que caso europeu é “unidade na diversidade”

0
24

Ouvir /

Em discurso em Viena, Christine Lagarde afirmou que o "progresso não é nunca linear"; sobre o referendo a respeito da saída do Reino Unido da União Europeia, secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, declarou que essa é uma decisão soberana dos cidadãos britânicos.

Christine Lagarde. Foto: FMI

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional, Christine Lagarde, afirmou esta sexta-feira em discurso em Viena que o caso da Europa é "unidade na diversidade".

Lagarde mencionou o referendo no Reino Unido, marcado para a semana que vem, em que os eleitores britânicos vão decidir sobre a saída do país da União Europeia. A chefe do FMI disse que a decisão final cabe à população e deixou clara sua admiração pelo Reino Unido por sua abertura em receber outras nacionalidades e culturas estrangeiras.

Decisão Soberana

Ao ser indagado sobre o assunto durante entrevista a jornalistas na sede da ONU, em Nova York, o porta-voz do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, Stephane Dujarric, afirmou que essa é uma decisão soberana dos eleitores britânicos.

Ele afirmou que "Ban Ki-moon sempre deu muito valor à sólida relação das Nações Unidas com uma forte União Europeia, que é uma parceira essencial da ONU".

Já a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional, disse que esse é um caso de como o país se beneficiou e de como vai continuar se beneficiando de sua participação na União Europeia.

Lagarde explicou que, em primeiro lugar, existem empregos e ganhos de receita gerados pelo aumento do comércio com as outras nações do bloco. A chefe do FMI declarou que "a formação da UE e do mercado único foram fundamentais na criação de mais comércio, que não teria surgido em caso contrário".

Dinâmica e Vibrante

Ela afirmou que a participação do Reino Unido na União Europeia foi responsável, em grande parte, pela transformação do país numa economia mais dinâmica e vibrante. Além disso, a nação se beneficiou das contribuições de trabalhadores migrantes qualificados.

Segundo Lagarde, essa parceria fez do Reino Unido uma economia mais rica e, ao mesmo tempo, um país mais diversificado, mais emocionante e mais criativo.

Num apelo direto contra a separação, a chefe do FMI disse que "a Europa é sempre mais forte quando ela está junta". Lagarde afirmou que "todos precisam dar os passos agora para construir uma união melhor e mais próspera para a próxima geração de europeus".

Leia Mais:

Forte recessão do Brasil é destaque em relatório do FMI

FMI aprova mais de US$ 26 milhões para Burquina Fasso

FMI não prevê fim do choque de matérias-primas nesta década

Fonte: Rádio ONU

Deixe uma resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome