África teve mais de 60% dos fundos para combater comércio ilegal de animais

0
26

21/11/2016

África teve mais de 60% dos fundos para combater comércio ilegal de animais

Ouvir /

Banco Mundial fala de um total de US$ 190 milhões doado anualmente aos continentes africano e asiático desde 2010; Moçambique beneficiou-se de 5% do montante.

Antílope, animal adorado em Angola e alvo de caçadores. Foto: Pnuma/WED2016

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

África recebeu US$ 833 milhões nos últimos seis anos do Programa Global de Vida Selvagem para combater o comércio ilegal de animais.

O valor corresponde a 63% do total de US$ 1,3 mil milhões doados por 24 entidades internacionais aos continentes africano e asiático desde 2010.

Moçambique

O Banco Mundial revela que a cifra equivale a cerca de US$ 190 milhões por ano. O principal dos cinco maiores beneficiários foi a Tanzânia com 8%. A República Democrática do Congo e Moçambique tiveram 5%, seguidos pelo Gabão e pelo Bangladesh, com 3%.

A primeira Análise de Financiamento Internacional para Combater o Comércio Ilegal de Animais Selvagens destaca que os fundos concedidos contra os crimes na natureza são escassos.

O documento revela haver 1.105 projetos em 60 diferentes países e regiões.

Doadores

O Fundo Global para o Meio Ambiente, GEF, lidera a lista dos doadores e é seguido pela Alemanha, pelos Estados Unidos, pela Comissão Europeia e pelo Banco Mundial. O grupo contribuiu com US$ 1,1 mil milhão.

A vice-presidente do Banco Mundial para o Desenvolvimento Sustentável, Laura Tuck, disse que os crimes ambientais privam os países de recursos naturais e minam o seu desenvolvimento sustentável e inclusivo.

Segundo ela, é preciso uma forte coordenação de esforços e de financiamento dos doadores para enfrentar o problema.

Leia Mais:

África vai aumentar participação no turismo internacional, diz diretor da OMT

Compartilhe

Fonte: Rádio ONU

Deixe uma resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome